- GESTÃO 2013 - Quem sabe faz agora!

segunda-feira, 31 de maio de 2010

INFORMATIVO AMRN


A Associação Médica do RN informa que no próximo dia 16/06/2010 (quarta-feira) , as 10h, na Assembléia Legislativa, o Dr. Airton Dantas Wanderley receberá daquela egrégia casa o Título de Cidadão Norteriograndense que muito jus.
Contamos com a presença de todos.
Alvaro Roberto Barros Costa
Presidente/AMRN
Fonte: AMRN

DIA MUNDIAL SEM TABACO É LEMBRADO NESTA SEGUNDA COM UM PROGRAMA DE CONSCIENTIZAÇÃO

De acordo com dados do Ministério da Saúde, dos cerca de 1,25 bilhões de fumantes no mundo, mais de 30 milhões são brasileiros e 16% mulheres. É para tentar diminuir números alarmantes como estes que será celebrado na próxima segunda-feira, 31, o Dia Mundial sem Tabaco.
     O Instituto Nacional de Câncer (INCA), responsável por coordenar e executar o Programa de Controle do Tabagismo no Brasil, promove uma campanha voltada para as mulheres: "Mulher, você merece algo melhor que o cigarro!". O objetivo é alertar sobre as estratégias que a indústria do tabaco utiliza para atingir o público feminino e os males que o cigarro causa à saúde e ao meio ambiente.
     No Rio Grande do Norte a Secretaria Estadual de Saúde vai promover a distribuição de material informativo para a população e, internamente, entre os funcionários da Secretaria, além de apoiar as diversas ações que vão acontecer em vários municípios do Estado.
     Severina Pereira, técnica do Programa Estadual de Controle ao Tabagismo da Sesap, explicou que o dia 29 de agosto é o dia Nacional de Combate ao Fumo, e a Secretaria também já está organizando as atividades para este dia. "Não podemos deixar de divulgar estas datas que são um reforço do nosso trabalho", disse a técnica.
     A Sesap atua ainda na movimentação em torno da aprovação do Projeto de Lei nº 315/08 sobre a proibição dos fumódromos em recinto coletivo, privado ou público, que está tramitando no Senado.
     Atualmente, a lei federal 9.294/96 proíbe o fumo em recintos coletivos, mas permite fumar em áreas destinadas exclusivamente a esse fim, desde que o local seja devidamente isolado e com arejamento conveniente - os chamados fumódromos. O PLS 315/08 acaba com essas áreas.
Fonte: Gazeta do Oeste

CIGARRO É RESPONSÁVEL POR 90% DOS CASOS DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

 Que tal não fumar nenhum cigarro hoje? Você, fumante, conseguiria? Não. E se você soubesse dos riscos que o fumo pode causar para sua saúde? Hoje é o Dia Mundial Sem Tabaco, em que todos os esforços feitos por especialistas para afastar milhares de pessoas do vício se concentram. Esse pequeno maço de tabaco envolto em papel é um risco iminente à saúde, ele é responsável por 90% dos casos de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), que atinge mais de sete milhões de brasileiros.
     O pior de toda essa história é que os fumantes passivos, aqueles que acabam inalando a fumaça descartada pelos fumantes ativos, também correm riscos. Vários municípios já tentaram reforçar sanções para impedir esse fator de risco, a exemplo de Mossoró, onde um projeto de autoria do vereador Lahyre Rosado Neto foi sancionado pela prefeita Fafá Rosado em 30 de agosto de 2009. A lei prevê a proibição do uso de cigarro em estabelecimentos públicos e privados no âmbito do município.
     Parece uma ação insignificante, no entanto, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de sete fumantes passivos morrem por dia em decorrência da inalação da fumaça do cigarro de terceiros. O pneumologista Luiz Gomes reforça a importância de evitar o cigarro. "No Brasil morrem por ano 300 mil pessoas e no mundo todo cerca de 5 milhões", diz o médico.
     Segundo ele, as campanhas e os dias temáticos ajudam a conscientizar a população e, consequentemente, reduzir o número de fumantes. "Já existem dados estatísticos no Brasil que mostram a redução do número de fumantes. Nos últimos 20 anos registrou-se uma redução de 43% no consumo de cigarro. Em relação aos jovens, a redução do uso foi de 50%. Apesar de ser uma boa notícia, ainda não é ideal", diz Luiz.
     Entre as mulheres, no entanto, o consumo de tabaco aumentou em comparação com a década de 90. "As mulheres fumam mais do que antes, em primeiro lugar por causa da inserção no mercado de trabalho, que causa mais estresse e também por sua inserção na sociedade. As mulheres que antes eram apenas dona de casa agora trabalham e estão mais expostas e, por isso, fumam", revela o especialista.
     Quem fuma está predisposto a uma série de doenças, que, segundo o médico, não envolvem apenas o sistema respiratório e os pulmões. "Dificuldades na circulação, inflamação nas artérias, infarto, obstrução das artérias cerebrais, que causa risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Além das doenças pulmonares graves, como enfisema, bronquite, além do câncer de pulmão e do aparelho digestivo", informa Luiz Gomes.
     E quem é fumante passivo não está distante de ter um desses problemas. "Isso também depende do ambiente. Se você está num local onde uma pessoa fuma 20 cigarros por dia, o passivo chega a fumar sete ou oito. Já é comprovado que a fumaça escura produzida pela queima do tabaco é mais nociva do que a aspirada pelo fumante", revela o especialista. Pelos problemas de saúde causados entre os fumantes ativos e passivo é que o país gasta anualmente cerca de R$ 5 milhões.
     Se você fuma, que tal começar hoje a pensar em largar esse vício. O jornalista Williams Vicente fumou durante dez anos e, em dezembro de 2009, decidiu que queria parar. "Na verdade me considero uma pessoa ainda em tratamento e ainda sofro por abstinência. Algumas vezes, principalmente em festas, ainda pego o cigarro de alguém. Mas deixei de fumar todos os dias e não compro mais cigarros. Eu procurei um médico, que me ajudou, mas se a pessoa não tiver força de vontade, não consegue. A vontade de parar representa 90% do tratamento. Mas ainda espero chegar mais longe, ao ponto de não sentir mais falta", declara.
     Para o pneumologista, o fumante que deseja parar precisa realmente ter vontade própria, mas outros fatores podem ajudar nessa luta contra a dependência da nicotina. "Ele tem que ter o apoio da família; tentar fumar o primeiro cigarro do dia o mais tarde e o último bem antes da hora de dormir; quando ele chegar a 10 cigarros no dia, deve se conscientizar que não deve mais fumar; deve procurar um médico para ter um tratamento multidisciplinar. Ele deve lembrar que existe medicamento, mas que isso não é o mais importante é apenas uma ajuda", avalia o especialista.
     O cigarro possui cerca de 400 substâncias químicas e a nicotina, uma dessas, é a responsável pela dependência. Por isso, cuida da sua saúde e eleja hoje, no Dia Mundial Sem Tabaco, o começo da luta contra o cigarro. 
Fonte: O Mossoroense

A psoríase, caracterizada por manchas e descamações visíveis, provoca grande dose de preconceito

Tão impactante quanto a aparência das lesões cutâneas provocadas pela psoríase é a desinformação a respeito da doença. No Brasil, pelo menos 5 milhões de pacientes sofrem na pele não só os sinais do problema, mas também o preconceito - muitos ainda julgam, por exemplo, que as manchas e descamações típicas da patologia são contagiosas. Os danos emocionais e sociais decorrentes da discriminação são os sintomas mais graves desse mal, que não tem cura, mas pode ser controlado.
     A comerciária Terezinha do Carmo Araújo, 49 anos, perdeu as contas de quantas vezes se sentiu constrangida com a repulsa de quem percebia as alterações em seu corpo. "Em uma ocasião, solicitaram que eu me retirasse de um clube para que os sócios não fossem contaminados com a doença. É muito triste e embaraçoso. Mas sei que não sou a única. Todos os pacientes com psoríase têm uma história parecida para contar. Quem desconhece o problema tem medo de encostar na gente", relata.
    
     A psoríase acomete indivíduos geneticamente predispostos e pode ser desencadeada por diferentes fatores. Coordenadora do Ambulatório de Psoríase do Hospital Universitário de Brasília (HUB), a dermatologista Gladys Aires Martins explica que a mazela perturba o homem desde a Antiguidade, mas sempre foi negligenciada. "Os cientistas e médicos consideravam que a doença não atingia órgãos internos e, como não era fatal, o mal foi esquecido. Hoje, sabemos que é uma patologia inflamatória e crônica, há alteração no sistema imunológico e que os fatores emocionais e ambientais desencadeiam ou agravam a doença", avalia. "Os prejuízos psicológicos e sociais são enormes, tanto que há um índice elevado de tentativa de suicídios entre esses pacientes."
    
     Doenças associadas
    
     As comorbidades preocupam. Artrite, hipertensão, alcoolismo, síndromes metabólicas e doenças cardíacas são comuns, principalmente entre os que sofrem das formas moderadas e graves da doença. Pesquisadores do Hospital Universitário Gentofte, na Dinamarca, acompanharam, por uma década, as complicações em 40mil pacientes com psoríase. O estudo revelou que a patologia em estágio moderado ou grave eleva em 24% o risco de infarto, em 45% a chance de acidente vascular cerebral e em 51% a probabilidade de arritimias cardíacas.
    
     "A doença pode apresentar variações em relação à forma. Algumas pessoas têm a do tipo vulgar e são surpreendidas com surtos de outros tipos ao longo da vida. Temos percebido que isso está ligado ao perfil genético. A ciência está buscando o mapeamento dos genes que promovem a manifestação de cada tipagem", explica a dermatologista do HUB.
    
    
    
     PALAVRA DE ESPECIALISTA
    
     Vulnerabilidade social
    
     A psoríase implica numa série de restrições adaptativas. Sendo assim, a pessoa acometida por ela enfrenta dificuldades nas relações de trabalho, familiares e sociais. Com o quadro clínico grave, o doente não consegue manter o vínculo empregatício, o que caracteriza um momento de vulnerabilidade social. Considerando os aspectos biopsicossociais, tornam-se necessárias intervenções multiprofissionais e interdisciplinares, pautadas no conceito ampliado de saúde e garantias de direitos sociais.
    
     O profissional de serviço social assume um papel fundamental perante a equipe médica, principalmente ao intervir nas relações do sujeito com o mundo do trabalho. Os direitos das pessoas acometidas pela psoríase são fortalecidos pelos movimentos sociais. Destaca-se o trabalho das associações de pacientes portadores de psoríase, que promovem ações educativas, buscando conscientizar a sociedade e, mais uma vez, evidencia-se o objetivo de romper com o preconceito e a discriminação causados pelo desconhecimento da doença.
    
     A intervenção da equipe multiprofissional de saúde em parceria com as associações contribui para a promoção da qualidade de vida, bem como para o fortalecimento da autoestima das pessoas com psoríase e de seu grupo familiar. 
Fonte: Diário de Natal

Hospitais universitários precisam contratar 7.659 servidores, diz MEC

     O diretor de hospitais universitários federais do Ministério da Educação, José Rubens Rebellato, disse que é preciso contratar emergencialmente 7.659 trabalhadores para manter o serviço como está - sem fechar mais leitos - nos 46 hospitais ligados a instituições de ensino superior em todo o País.
    
     O custo da contratação dessas pessoas é de R$ 300 milhões. "De 2008 para cá, quase 300 leitos foram desativados, e o total já chega a 1.400”, informou Rebellato em audiência pública sobre a situação dos hospitais universitários, promovida pela Comissão de Seguridade Social e Família, nesta quinta-feira (27).
     Outro problema do sistema, segundo Rebellato, é a existência de pelo menos cinco regimes de contratação diferentes em cada hospital. 52% dos funcionários estão no Regime Jurídico Único (Lei 8.112/90 - servidores públicos) e 20% são regidos pela CLT (Decreto-Lei 5452/43).
    
     Faltam recursos
    
     Uma portaria que deve ser publicada ainda nesta semana, segundo o dirigente do MEC, vai regulamentar o programa de reestruturação dos hospitais universitários, anunciado em janeiro. Mas uma solução definitiva para o principal problema, que é a falta de recursos, ainda está em discussão.
    
     "Fala-se em fundação pública de direito privado, em empresa pública, em abrir a carreira do Hospital das Forças Armadas, em tornar todos os hospitais um HCPA (Hospital das Clínicas de Porto Alegre). Mas isso está no âmbito de um debate nacional”, explica Rebellato. Segundo ele, existem argumentos fortes em relação a todas as opções.
    
     Dinheiro existe
    
     Autora do requerimento para a audiência, a deputada Solange Almeida (PMDB-RJ) disse que o governo tem recursos. “Só que eu não posso aceitar subfinanciamento do Sistema Único de Saúde (SUS), se, aqui nesta Casa, não se vota mais milhões, só bilhões”, critica.
    
     Ela citou o montante das reservas internacionais, “R$ 400 bilhões”, e lembrou que o Brasil “colocou R$ 10 bilhões no Fundo Monetário Internacional (FMI)”. Ressaltou ainda a “dívida interna com os bancos, que têm lucros absurdos” e “levam quase o dobro dos recursos que o governo coloca no SUS".
    
     Solange Almeida disse que os contratos que vêm sendo assinados com os hospitais, dentro do processo de reestruturação, têm deixado o ensino em segundo plano em benefício da assistência, quando o ensino deveria ser a meta principal destes centros de saúde.
    
     Emenda 29
    
     A coordenadora-geral da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras, Léia Oliveira, defendeu a regulamentação da Emenda 29, que estabelece pisos para a aplicação de recursos em Saúde por parte do governo federal, estados e municípios.
     Na próxima terça-feira, a Frente Parlamentar em Defesa dos Hospitais Universitários, liderada por Solange Almeida, deve ter uma reunião com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, para debater as soluções emergenciais que devem ser tomadas.
    
     Para 2011, há a perspectiva de que mais R$ 700 milhões sejam investidos para a modernização das instalações dos centros de saúde universitários, por meio de um empréstimo do Banco Mundial.
     Fonte: Agência Câmara

domingo, 30 de maio de 2010

Tireoide: uma glândula traiçoeira

Se você sente com frequência tontura, fraqueza, estresse e cansaço, é bom procurar um médico porque você pode estar sofrendo de problemas da tireoide. Esta glândula, que fica na região do pescoço mais conhecida como "gogó" ou "pomo de Adão", é responsável pelos hormônios que regulam o metabolismo. Seu mau funcionamento pode gerar agravos à saúde, desde sintomas silenciosos, até risco de morte.

Segundo a presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia no RN (SBEM/RN), Anna Karina Medeiros, "a maior incidência ocorre em mulheres acima de 40 anos e pessoas idosas, ou ainda quem já tenha histórico familiar com problemas de tireoide".

As principais doenças causadas pelo mau funcionamento da tireoide são, o hipertireoidismo (hormônios em excesso) e hipotireoidismo (redução de hormônios). A produção de hormônios em excesso pode causar sintomas como aumento de calor, taquicardia e inchaço. "Geralmente acomete pessoas que tenham elevados níveis de ingestão de iodo que estimula a produção de hormônios", explicou a endocrinologista. O tratamento do hipertireoidismo é feito através de medicamentos e em alguns casos com procedimentos cirúrgicos.

Porém, segundo explica Anna Karina, a principal incidência no RN são de casos de hipotireoidismo. De acordo com a estimativa da SBEM, 10% dos idosos sofrem com a redução da produção de hormônios da tireóide. "A doença causa diminuição do funcionamento normal do corpo, levando a lentidão física e mental, porém 97% dos casos são curáveis através do uso de medicamentos de reposição hormonal", afirmou Anna Karina.

Outro problema relacionado à tireoide se trata da formação de nódulos que aparecem na glândula. Além do incômodo natural, os nódulos causam dificuldade para engolir e até desconforto respiratório. "Através do autoexame podem ser diagnosticado os nódulos, mas é preciso a confirmação médica, para iniciar o tratamento", explicou Anna Karina.

Mobilização

Especialistas estão tomando iniciativas para alertar a população sobre os cuidados com a tireóide e a importância do autoexame. Os esforços incluem a montagem de um estande no shopping Midway Mall com a presença de endocrinologistas para atender a população e explicar como podem ser prevenidas as doenças na tireoide. A iniciativa promovida pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, faz parte das ações da 2ª Semana Internacional da Tireoide.

+ Mais
SAIBA MAIS
Fonte: Diário de Natal

Transplantes // Walfredo capacita pessoal

Sensibilizar os profissionais para que entendam a importância do transplante, tendo como meta maior o aumento no número de captações de órgãos e tecidos no Rio Grande do Norte. Para isso a Central de Transplantes, através do Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG), vem realizando desde setembro de 2009 capacitações com profissionais de diversas especialidades da área da saúde.

Participam enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionistas, assistentes sociais, fisioterapeutas entre outros profissionais dos hospitais Walfredo Gurgel, Dr. José Pedro Bezerra (Santa Catarina), da Policia Militar e do Onofre Lopes. As capacitações vêm acontecendo no Sest/Senat, e são 8 horas de treinamento com equipes de 50 a 55 alunos. No ano passado 160 servidores passaram por essa sensibilização, este ano a meta é que pelo menos quatro mil profissionais possam participar desta jornada de sensibilização.

Segundo Francinete Guerra, coordenadora da Central de Transplantes a meta é realizar as capacitações até dezembro de 2010.Mas a intenção da Central é de que o curso só deixe de ser ministrado quando todos os servidores forem capacitados. 
Fonte: Diário de Natal

sábado, 29 de maio de 2010

Fórum encerra com discussões sobre inserção social e econômica das cooperativas

O destaque do último dia de atividades do III Fórum Nacional de Cooperativismo Médico, nesta sexta-feira (28), foi a participação de representantes da Procuradoria Regional do Trabalho da 10ª Região, Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça.
     
     O foco das discussões foi a inserção social e econômica das cooperativas, bem como sua legitimidade do ponto de vista trabalhista. A respeito deste último item, Luís Paulo Villafañe Gomes Santos, da Procuradoria Regional do Trabalho da 10ª Região, falou sobre cooperativismo e terceirização. Ele reforçou os aspectos que os diferenciam e abordou os principais sintomas do que chamou de cooperativismo fraudulento.
     
     O representante da ANPT, Carlos Eduardo Azevedo Lima, também falou sobre o tema. Ele ressaltou que o Ministério Público do Trabalho não é contra o cooperativismo, que traz inegáveis vantagens sociais. O que se combate, segundo ele, são as cooperativas fraudulentas no âmbito da administração pública. “Arregimentar mão-de-obra barata sob o manto de cooperativismo é um retrocesso histórico”, defende.
     
     Lima relata que, para enfrentar o problema, existe a Coordenadoria Nacional de Combate às Irregularidades Trabalhistas na Administração Pública (Conap) no âmbito do Ministério Público do Trabalho. Na última reunião da Conap, no final de 2009, foi deliberado que seriam enviadas representações para todas as cooperativas visando tratar de irregularidades na saúde envolvendo cooperativas e outras entidades congêneres. Espera-se com isso inibir ações irregulares e que apenas as cooperativas legítimas funcionem.
     
     Essas cooperativas legítimas, segundo o representante da Federação Brasileira das Cooperativas de Anestesiologia (Febracan), Guilherme Krueger, dão aos médicos um poder compensatório num mercado que se mostra imperfeito. “As cooperativas de especialidades médicas são necessárias para que se possa preservar a dimensão humana e defender a sua dignidade nesse mercado imperfeito, que tem sua face não somente no paciente, mas também no profissional que o atende”, explicou.
     
     Livre concorrência – A inserção econômica das cooperativas de trabalho foi tratada pela representante da Secretaria de Direito Econômico, Ana Maria Melo Netto. Ela falou sobre o trabalho do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e a política de defesa da concorrência. Para Ana Maria, o principal problema relativo às cooperativas de trabalho na saúde suplementar é que o CADE ainda não construiu um posicionamento previsível e transparente. “Por isso precisamos avançar na nossa análise e no diálogo, atingindo o ponto em que as empresas e os agentes saibam quando estão atuando na legalidade e quando estão atuando na ilegalidade”, disse.
     
     O CADE também não tem uma resposta com relação à Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). “Enxergamos aspectos positivos na CBHPM como a hierarquização e a nomenclatura”, adiantou Ana Maria Melo Netto, ressaltando, no entanto, que a preocupação é como mercado se comporta em relação a ela. “O indesejado da tabela é quando não há formação de preços independentes”, alerta.
     
     O representante da AMB, Florisval Meinão, defendeu que o CADE precisa estar mais presente nas discussões entre a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e médicos para entender o problema da defasagem de seus honorários. Para ele, a ideia de que o médico pode negociar individualmente com a empresa é utópica. “O médico é obrigado a se submeter às condições impostas pelas empresas. Precisamos encontrar formas para solucionar esse problema respeitando os princípios da livre concorrência”, defendeu.
     
     Realização – O III Fórum Nacional de Cooperativismo Médico foi uma realização da Comissão de Cooperativismo Médico do Conselho Federal de Medicina (CFM). Representantes de entidades médicas como Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e Associação Médica Brasileira (AMB), e do segmento cooperativista (Confederação das Cooperativas Médicas e Federação Brasileira das Cooperativas de Anestesiologia) também participaram dos debates desta sexta-feira (28).
     
     O coordenador dos trabalhos, conselheiro federal Hiran Gallo, ressaltou que as discussões continuarão com no âmbito da Comissão de Cooperativismo junto com a Unimed, Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e Confederação das Cooperativas Medicas (Confemed). “O sistema cooperativista será o quarto elemento a compor a atuação das três entidades médicas nacionais (CFM, AMB e Fenam)”, disse.
Fonte: CFM

Inscrições abertas para o Congresso Médico da FENAM

O Médico e a Realidade Brasileira é o tema do Congresso Médico da FENAM, um dos eventos mais importantes do calendário da Federação Nacional dos Médicos, que acontece nos dias 18 e 19 de junho, no Hotel Caesar Business, em São Paulo. No congresso, além de debater os temas mais relevantes para o movimento médico brasileiro, a Federação elege sua diretoria para o biênio 2010/2012. Com público estimado em 200 pessoas, o Congresso Médico da FENAM receberá cerca de 150 delegados com direito a voto.
Como ocorre tradicionalmente, a eleição da diretoria da FENAM acontece no último dia do evento (19/06). De acordo com o estatuto da entidade, na próxima gestão o presidente será oriundo da Região Sudeste, que abrange os estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo.
As inscrições para aqueles que irão participar do evento como delegados de seus sindicatos médicos, ou seja, os que têm direito a voto, devem ser feitas pelos telefones (61)3042-3700 (escritório da FENAM em Brasília) e (11) 3292-9147 (Sindicato dos Médicos de São Paulo) ou através de ficha de inscrição , publicada neste portal.
Os convidados e observadores também poderão usar os mesmos números de telefone e a mesma ficha do portal para fazerem suas inscrições. A lista de documentos necessários para o credenciamento dos delegados é a seguinte: cópia do edital de convocação da assembleia extraordinária do sindicato que elegeu os delegados, ata da assembleia extraordinária com lista de presença devidamente assinada pelos que participaram, e nomes dos delegados e suplentes. Esses documentos devem ser enviados para o e-mail secretaria@fenam.org.br ou pelos Correios, para o endereço SHS, quadra 6, conjunto A, sala 211, Brasília, CEP 70322-915.
Fonte: SINMED RN

sexta-feira, 28 de maio de 2010

quinta-feira, 27 de maio de 2010

CFM: Nota de Esclarecimento

     O Conselho Federal de Medicina (CFM), no uso de suas atribuições, conferidas em lei, e pela preservação do ético desempenho da medicina, esclarece à sociedade brasileira que:
    
     Conforme o entendimento da maioria dos organismos internacionais de controle ético de reprodução medicamente assistida, essa técnica deve ser utilizada considerando-se, sobretudo, os interesses do ser humano que vier a ser concebido.
    
     Portanto, na visão desses organismos, compartilhada atualmente pelo CFM, a aplicação de métodos não naturais de concepção não deve ser realizada na ausência ou falta provocada por morte de pai ou mãe biológicos.
Fonte:CFM

Presidente do CFM discute remuneração médica no SUS e na Saúde Suplementar

 O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto Luiz d´Avila, participa nesta sexta-feira (28), às 8h30, da mesa de abertura do Fórum Remuneração Médica no SUS e Saúde Suplementar da Associação Paulista de Medicina (APM).
    
     Ainda pela manhã, às 9h30, o assessor jurídico do CFM, Alejandro Bullón, profere a palestra “Aspectos Jurídicos da Implantação da CBHPM: existe cartelização na CBHPM? Os processos no CADE/SDE têm fundamento?”.
    
     O evento será realizado durante todo o dia, no auditório nobre da APM, localizada na Av. Brigadeiro Luís Antônio, 278, em São Paulo – SP.
    
     Informações: (11) 3188-4281
     Inscrições: www.apm.org.br/forumremuneracao 
Fonte: CFM

SMS disciplina prescrição de genéricos

Os estabelecimentos do Sistema de Saúde do Município e os credenciados terão, preferencialmente, que prescrever o medicamento genérico na receita para o paciente. É o que estabelece lei publicada hoje (21) no Diário Oficial do Município, que será regulamentada em 30 dias.

Segunda a norma, o genérico deve ser prescrito de forma opcional ao paciente, como correspondente ao remédio de marca comercial. E somente podem ser receitados como opcionais os genéricos que estejam de acordo com a Lei 9.787/99, que estabeleceu o medicamento genérico, a Resolução n.º 391/99, da Anvisa, e com as demais lei e regulamentos que dispuserem sobre o assunto.
Fonte: SINMED RN

Hospital lança campanha sobre prevenção de queimaduras

O Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, inicia na próxima segunda-feira (31), a Semana de Prevenção de Queimaduras, com o objetivo de alertar a população do Rio Grande do Norte sobre os perigos das queimaduras.

Até o dia 6 de junho (Dia Nacional de Combate a Queimaduras) o CTQ realizará, com pacientes, acompanhantes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), um trabalho de conscientização através de rodas de conversa, palestras e oficinas. Dos tipos de acidentes ocorridos em casa, as queimaduras com líquido superaquecido são as que registram maior número no Centro. Mais, inclusive, que os acidentes com fogos no período junino.

A constatação é realmente assustadora. Nos últimos seis anos o Walfredo registrou um aumento de 470 % no número de atendimentos a pessoas vítimas de queimaduras. Em 2005 foram 140 atendimentos. Em 2006 este número subiu para 440 pacientes. Em 2007, foram 461 queimados e em 2008 outros 433. No ano passado, o contingente de pacientes registrou mais uma alta: foram 658 vítimas.

Com informações DN online
Fonte: SINMED RN

Chapa Novo Sindicato não terá concorrente

O prazo para inscrições de chapa foi encerrado no dia 21 de maio, às 17h, com apenas uma chapa inscrita para concorrer ao triênio 2010- 2013.

A chapa é uma continuação da gestão atual e tem como presidente o Dr. Geraldo Ferreira e como vice-presidente Dra. Mônica Cristina de Andrade.

Veja a chapa completa aqui. 
Fonte: SINMED RN

MEDICAMENTOS // NOVA LISTA EM PRODUÇÃO

  São Paulo - O Brasil deixará de importar sete medicamentos considerados essenciais pelo Ministério da Saúde, o que resultará em uma economia de R$ 170 milhões por ano. A compra desses produtos custa em média R$ 850 milhões anuais. O anúncio foi feito ontem, pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Segundo o ministro, foram realizadas novas parcerias entre empresas públicas e privadas para a produção desses medicamentos, distribuídos pelo SUS. 
 Entre os medicamentos que entram na relação, estão remédios para o tratamento de Alzheimer, Aids, osteoporose, tuberculose, hemofilia e asma, além de imunossupressores (para pacientes submetidos a transplantes) e o contraceptivo DIU. 
Fonte: CREMERN

Prevenção da osteoporose e qualidade no tratamento ao idoso são temas de palestras

Preocupados com dados que apontam a queda como um dos importantes fatores de risco, vulnerabilidade, incapacidade e mortalidade no idoso o Grupo Técnico Estadual de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa (GTEASPI) em parceria com o Ministério Publico esta promovendo nesta quarta-feira (26) uma oficina de prevenção de osteoporose, quedas e fraturas no Praiamar Hotel.

O evento que teve início às 8h com palestras e mesa redonda debatendo sobre Política Nacional de Saúde do Idoso teve como tema "Osteoporose: o que é e qual o seu impacto na qualidade de vida da pessoa idosa, além da Instabilidade postural e quedas: como identificar e intervir no caso do idoso de risco na Atenção Básica".

Cerca de 30% das pessoas acima de 65 anos tem pelo menos um episódio de queda por ano e esse percentual aumenta muito em pessoas acima de 75 anos, principalmente nas mulheres entre 20% e 30% das pessoas que caem acabam sofrendo agravos que reduzem sua mobilidade, sua independência aumenta o risco de morte prematura. As quedas são responsáveis por 12% dos óbitos na população geriátrica e grande parte delas é acidental, ocorrendo dentro de casa ou em seus arredores, geralmente no desempenho de atividades do cotidiano.

Estão participando do evento profissionais de saúde de diversas categorias, profissionais do Programa de internação Domiciliar (PID), representantes das regionais de saúde de todo o Rio Grande do Norte, coordenadores das Instituições de Longa Permanência do Idoso (ILPI) e pastorais de algumas igrejas. "O objetivo da oficina é discutir estratégias de prevenção da osteoporose, quedas e fraturas para ajudar na qualificação do tratamento com o idoso, os dados nos mostram que a população geriátrica sofre muitos acidentes domésticos que acabam se agravando, então é importante esclarecer a todos que cuidam dos idosos desde os enfermeiros até os coordenadores de instituições para que eles possam ter como supervisionar. Além de cuidados médicos, detalhes do dia a dia como a cera que passa no chão da casa também são importantes para prevenir os acidentes", explicou Cláudia Frederico de Melo, coordenadora do GTEASPI.

Os dados convocam a repensar o modo de operar o cuidado em que muitas vezes se pauta na lógica de que o processo de fragilização do idoso é, sobretudo, uma condição natural do envelhecimento. Esta visão não estimula as práticas preventivas, tendo como conseqüências, intervenções tardias que reduzem a capacidade de autonomia dos idosos, comprometendo sua capacidade funcional. As práticas de produção da saúde requerem um conjunto de cuidados, escuta qualificada permanente, investigando aspectos que envolvem a vida da pessoa idosa.

Contribuindo assim, para um envelhecimento ativo e saudável, com autonomia, não só tratando das doenças e seus danos, que muitas vezes ocorrem sem o conhecimento ou tratamento devido pelos profissionais da saúde.

Confira esta matéria clicando aqui.
Fonte: Correio da Tarde

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Fórum de combate à Mortalidade Materna acontece amanhã (27)

A morte materna é uma das mais graves violações dos direitos humanos das mulheres, já que pode ser evitada em 92% dos casos e por ocorrer principalmente nos países em desenvolvimento. Para que se possam executar ações de combate ao problema, é preciso primeiro superar a falta de informações e dados estatísticos corretos sobre os casos. Pensando nisso, a Secretaria de Estado da Saúde Pública do RN (Sesap) promove o 4º Fórum Estadual de Mortalidade Materna e Neonatal, através do Comitê de Mortalidade Materna e Neonatal.

O evento será realizado amanhã, dia 27, no Hotel Praia Mar em Natal das 8 às 17h e te como objetivos conscientizar e mobilizar a sociedade na intenção de alertar a população para esse grave problema, além de debater e propor ações mais efetivas no combate à mortalidade.

Durante todo o dia serão ministradas palestras sobre temas relacionados à mortalidade materna, além de mesas redondas. O ciclo de palestras contará com um representante do Ministério da Saúde, que irá falar sobre o "Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal". Já a Dra. Maria do Carmo Lopes de Melo, presidente do Comitê de Mortalidade Materna e Neonatal, irá ministrar uma palestra sobre a "Razão da mortalidade materna no RN", além da Dra. Elaine Pompéia que irá falar sobre a "Declaração de óbito: O ato médico". O Dr. Ney Costa, representante do grupo Bem Estar Familiar do Brasil (Bemfam), irá falar sobre a "Municipalização dos objetivos do milênio". A Coordenadora de Promoção à Saúde da Sesap, Celeste Rocha irá discutir sobre o "Plano Operativo Estadual para redução da mortalidade materna". O Fórum é dirigido aos prefeitos, secretários municipais de saúde, profissionais de saúde, profissionais da Vigilância Epidemiológica e representantes da sociedade civil organizada.

Mortalidade Materna

As principais causas de morte materna são: hipertensão, hemorragia, infecção e abortamento que são evitáveis. Portanto, a mortalidade materna é uma tragédia evitável em sua grande maioria. É um desafio a ser vencido, portanto, exige ações governamentais para melhoria da qualidade da assistência prestada às mulheres, bem como, ações intersetoriais sendo fundamental a articulação com os diferentes segmentos da sociedade civil e organizada. É preciso, ainda, o comprometimento político de priorizar e concretizar o Pacto Nacional pela Redução da Moralidade Materna e Neonatal.

Morte materna é a morte de uma mulher durante a gravidez ou até 42 dias após o parto, independentemente da duração ou da localização da gravidez. É causada por qualquer fator relacionado ou agravado pela gravidez ou por medidas tomadas em relação a ela. Não é considerada morte materna a que é provocada por fatores acidentais ou incidentais.

Duas questões são as responsáveis pela falta de números fidedignos: a sub-informação, que resulta do preenchimento incorreto das declarações de óbito, e o sub-registro, que é a omissão do registro do óbito em cartório. As principais causas de morte materna são a hipertensão, a hemorragia, infecção e o aborto, todas situações que podem ser evitadas, com a devida assistência do pré-natal, ao parto e ao puerpério neonatal, além de ações de saúde específicas para as mulheres.

Fonte: SESAP RN

Mesmo com onze casos confirmados, RN não tem surto de leptospirose, diz Sesap

A Secretaria Estadual de Saúde Pública do RN (Sesap) negou, na tarde desta quarta-feira (26), que o estado esteja sofrendo um surto de leptospirose. Mesmo com a confirmação da morte de um agricultor e de mais três casos confirmados só no município de Cruzeta, no interior do RN, além de mais treze casos notificados, sendo destes onze confirmados&nbspna&nbspregião,&nbspa secretaria considerou precipitado o alerta para uma epidemia da doença.

De acordo com a Juliana Araújo, Subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesap, foram enviados técnicos para o município de Cruzeta, onde foram montadas "armadilhas" na localidade em que os casos foram notificados para verificar se havia um grande número de ratos na região, principais transmissores da doença.

Segundo Juliana, após uma varredura pela região, foram detectadas apenas sujeira e muito entulho o que, segundo ela é fator considerável para a propagação da doença. Quanto aos casos confirmados no município e a morte do agricultor, Juliana considerou uma fatalidade e destaca que essa morte não tem nenhuma relação com um possível surto da doença no estado.

Com relação às medidas preventivas, a Subcoordenadora disse ainda&nbspque o que está sendo feito é uma campanha educativa no intuito de esclarecer a população para o cuidado com acumulo de sujeira em vias públicas. Em Cruzeta, por exemplo, estão sendo realizadas palestras para explicar os detalhes sobre a doença.

A doença:

A leptospirose, também chamada de Mal de Weil ou síndrome de Weil em seu quadro mais severo, é uma doença bacteriana que afeta seres humanos e animais e que pode ser fatal.

Como ocorre em várias outras doenças infecciosas, o quadro clínico da leptospirose varia muito de indivíduo para indivíduo. O paciente pode apresentar desde quase nenhum sintoma, até um quadro grave com risco de morte.

Confira esta matéria clicando aqui

Fonte: DN Online



Eleições acontecem no próximo dia 4


Campanha vai incentivar servidores a não usarem o jaleco fora das áreas de trabalho


A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) do Hospital Walfredo Gurgel lançou a "Campanha do Jaleco", com objetivo de incentivar os servidores do hospital a não usarem seus jalecos fora das áreas de trabalho.

Estudos mostram que as bactérias inclusivas, que provocam infecções hospitalares, podem resistir durante meses nos tecidos, principalmente nos sintéticos e nos de algodão. Assim, o jaleco pode ser um meio de transporte para estas bactérias, que podem se concentrar nas mangas, golas e nos bolsos.
Fonte: SINMED RN

Começa nesta quinta o III Fórum Nacional de Cooperativismo Médico


A situação socioeconômica das cooperativas de trabalho médico e a terceirização serão os principais temas do III Fórum Nacional de Cooperativismo Médico, que acontece no auditório do Conselho Federal de Medicina (CFM), em Brasília (DF), dias 27 e 28 de maio de 2010. Concomitante à realização do evento, será empossada a diretoria da Confederação Brasileira das Cooperativas Médicas (Confemed).

Trata-se de uma realização da Comissão de Cooperativismo Médico do CFM, coordenada pelo conselheiro Hiran Gallo. Ele comenta que a realização desses fóruns está ajudando a amadurecer os trabalhos da Comissão. “A Comissão já existe há mais de uma década e seus trabalhos avançaram enormemente nesses últimos quatro anos por causa da realização desses fóruns e do diálogo que eles suscitaram”, explica.

Entre os convidados estão o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, além de representantes das três entidades médicas nacionais – CFM, Associação Médica Brasileira (AMB) e Federação Nacional dos Médicos (Fenam).

Também estarão presentes nomes da Unimed do Brasil, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), das secretarias de saúde, parlamentares, do Ministério Público do Trabalho, da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Outros temas previstos são: cooperativismo de trabalho no SUS e na saúde suplementar, parceria público-privada, pontos de convergências entre cooperativismo e entidades médicas, honorários, tributação e atuação do órgão regulador.
Fonte: CFM

Especialidades ajudam a formular normas para garantir segurança do trabalho


Representantes de diversas sociedades de especialidades médicas participaram nesta quarta-feira (26) de mais uma rodada de discussões para a reformulação do Manual de Fiscalização do Conselho Federal de Medicina (CFM). Especialistas reconhecidos nacionalmente contribuíram com propostas que serão incorporadas aos parâmetros que norteiam o trabalho que monitora as condições oferecidas para o exercício profissional do médico.

Em reunião na sede da entidade, o coordenador do Departamento de Fiscalização, Emmanuel Fortes Cavalcanti (3º vice-presidente do CFM), esclareceu que está em construção um modelo de roteiro e esse trabalho dará origem à resolução que regulamentará a atividade. “A ideia fundamental é a segurança do trabalho do médico. Estamos aqui justamente para que as especialidades agreguem valores ao modelo preliminar de que dispomos agora para que sejamos capazes de garantir assistência à saúde de qualidade”, ressalta.

A conselheira suplente Marta Rinaldi Muller, uma das integrantes do grupo, explicou que a Comissão já elaborou duas partes do roteiro de vistoria (o formulário de identificação das instituições e o item atendimento ambulatorial). Ela citou que está sendo estudada a inclusão de alguns pontos considerados importantes, como a identificação do corpo clínico, do diretor técnico, do diretor clínico e das comissões de ética médica e de revisão de prontuários médicos, bem como a produção médica e a propaganda.

Os trabalhos estão sendo desenvolvidos pela Comissão de Reformulação do Manual de Fiscalização. Segundo Emmanuel Fortes, o quadro é grave e exige uma ação imediata. Ele cita como exemplo dos problemas encontrados um levantamento estatístico do Conselho Regional de Medicina de Alagoas (CRM-AL), o qual constatou que no Programa Saúde da Família (PSF) no estado cerca de 70% das equipes não possuem os equipamentos mínimos para proceder ao atendimento. “Esta situação gera insegurança e vulnerabiliza a profissão”, alertou.

Para Fortes, um dos principais objetivos da reformulação do Manual é garantir ao CFM condições de cumprir plenamente sua missão. “O exercício da Medicina deve ser fiscalizado pelos conselhos de medicina, como definido em lei. Os demais órgãos com funções correlatas não podem invadir nossas competências. Temos que ter massa crítica para compreender o papel que o Conselho tem que desempenhar e assumir essa função sem permitir regras que colidam com as suas”.

Entre os participantes estavam representantes da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social, Associação Nacional de Medicina do Trabalho, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Urologia, Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação, Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva, Colégio Brasileiro de Radiologia, Associação Médica Homeopática Brasileira e Sociedade Brasileira de Dermatologia, entre outros.
Fonte: CFM

Presidente do CFM coordena mesa de debate sobre anencefalia, nesta quinta-feira


O presidente do Conselho Federal de Medicina, Roberto Luiz d’Ávila, coordenará uma mesa de debate nesta quinta-feira (27), às 11h30, no “Seminário sobre anencefalia”, evento organizado pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

O seminário acontece na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília, durante todo o dia. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local, a partir das 8h00.


Entre os participantes do seminário estão o ministro da saúde, José Gomes Temporão, a secretária especial de políticas para as mulheres, Nilcéia Freire, o obstetra e geneticista Thomaz Gollop e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante.

Informações adicionais e programação do evento podem ser obtidas
aqui.
Fonte: CFM

terça-feira, 25 de maio de 2010

Debate ético no laboratório


O anúncio da criação de uma célula de bactéria com genoma artificial pela equipe de cientistas do instituto fundado pelo biólogo Craig Venter provocou reações diversas do governo dos Estados Unidos (EUA) e de representantes da Igreja Católica. Para a ciência, a descoberta dos norte-americanos significou um avanço com múltiplas aplicações potenciais, que deve permitir a compreensão dos mecanismos da vida.
Por outro lado, autoridades católicas italianas expressaram perplexidade e preocupação diante do fato.

O presidente norte-americano Barack Obama pediu que conselheiros especializados em biotecnologia do país façam uma análise detalhada das implicações da tecnologia. Segundo Obama, a Comissão Presidencial para o Estudo de Questões Bioéticas deve considerar o potencial médico, ambiental, de segurança e outros benefícios desse campo de pesquisa, assim como seus riscos potenciais. O estudo da primeira célula sintética foi divulgado na última semana pela revista especializada Science pelos cientistas do J. Craig Venter Institute (JCVI), na última quinta-feira. Na sexta-feira, o bispo Domenico Mogavero, presidente da Comissão para Assuntos Jurídicos da Conferência Episcopal Italiana, classificou a pesquisa como um "devastador salto ao desconhecido". "O homem vem de Deus, mas não é Deus. Ele é humano e tem a possibilidade de dar a vida procriando, e não construindo-a artificialmente", acrescentou, em entrevista ao jornal italiano La Stampa. Em seu discurso, o religioso se referiu às inúmeras aplicações do novo método, entre eles, a produção de organismos artificiais, no futuro. Por outro lado, o padre italiano Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, foi bastante prudente ao falar sobre o assunto. "É preciso esperar para sabermos mais sobre essa descoberta", afirmou. O monsenhor Rino Fischella, principal bioeticista da Igreja Católica, também foi mais prudente: "É uma grande descoberta científica. Agora temos de entender como ela será implementada no futuro".
Consulta
Questionado sobre a possibilidade de estar "brincando de Deus", Venter disse que a afirmação tem sido um clichê toda vez que uma descoberta do tipo é divulgada. O cientista enfatizou ainda que o estudo não criou a vida do zero, mas a partir de uma outra já existente, por meio de um DNA artificial, que reprogramou as células. De acordo com as declarações do biólogo, inúmeros especialistas na área de ética foram consultados pela equipe antes que o trabalho fosse iniciado. Ainda segundo ele, o próprio governo norte-americano foi informado do conteúdo do estudo, devido às implicações de segurança, já que a técnica poderia ser usada para sintetizar armas biológicas. No entendimento do presidente Barack Obama, a comissão presidencial que discutirá a criação da célula com genoma artificial deve formular recomendações. O intuito, segundo ele, é "garantir que os Estados Unidos colham os benefícios dessa área científica enquanto identificam os limites éticos e diminuem os riscos". O grupo formado pelo presidente deve se reunir para uma primeira audiência já nesta semana.
Veja Mais:
Múltiplas aplicações para o DNA sintético
Fonte: DN Online

Palestras // Saúde e sucesso em pauta

O auditório da livraria Siciliano vai receber três palestras sobre geriatria, fitoterápicos na obesidade e sucesso pessoal, durante o 1º Ciclo de Palestras da Map Consultoria e Eventos, que ocorre hoje, amanhã e na quinta-feira. As palestras são sempre a partir das 19h no auditório da livraria no Midway Mall. O evento ajuda na montagem da Biblioteca da Casa do Bem.

As inscrições estão sendo feitas pelo site www.mapconsultnatal.com.br ou pelos telefones 9982-4234 (José Augusto) ou 9971-4189 (Patrícia). O evento foca na questão da qualidade de vida e começou com temas sobre os transtornos alimentares e administração do tempo.
Fonte: Diário de Natal

Ampliação e Reforço são metas da campanha contra H1N1


Meta do MS é vacinar 1 milhão 453 mil no Estado

Auxiliar o município do Natal na nova etapa de vacinação contra a H1N1 é o intuito da força-tarefa criada pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), após reunião realizada na manhã desta segunda-feira (24). O acordo de cooperação entre o Estado e município irá permitir uma maior atuação nos postos de saúde que apresentam deficiências no atendimento à população. A medida foi necessária após anúncio do Ministério da Saúde de ampliação da campanha, do dia 24 de maio a 02 de junho. O foco desta nova etapa serão as crianças de dois a menores de cinco anos, além de gestantes e adultos com idades entre 30 a 39 anos que ainda não se vacinaram.


Foram debatidos os principais problemas enfrentados em Natal e em quais pontos o Estado pode auxiliar. Após as discussões, ficou decidido que a Sesap irá ceder 10 profissionais de saúde para o município. Eles irão atuar na vacinação de crianças e adultos, a partir de amanhã (25), até a próxima sexta-feira (28) nos postos de saúde que apresentam problemas com falta de pessoal.


Os postos que receberão apoio são o de Mirassol, Nova Descoberta, São João e Brasília Teimosa, cada um recebendo dois profissionais e o de Pirangi que terá sua equipe reforçada com um vacinador. A Sesap irá pagar a diária para esses profissionais, e o município irá fornecer a alimentação. Também foi debatida a volta dos postos de vacinação volantes, como em shoppings e na sede da Secretaria Municipal de Saúde em Natal. Para esta nova etapa da campanha contra o vírus H1N1, o Ministério da Saúde irá enviar 185.230 doses para o RN. Desse total, 84.200 irão chegar nesta semana e o restante na próxima. Participaram da reunião 15 profissionais de saúde da Sesap, a coordenadora de Imunização, Jeanny Guedes, a coordenadora de Epidemiologia, Juliana Araújo e a coordenadora de Imunização do município do Natal, Genilsen Freitas.


Para o Rio Grande do Norte a meta do Ministério da Saúde é de vacinar 1 milhão 453 mil e 739 pessoas. Até hoje, foram vacinadas 955.127 pessoas, ou seja, 65,70% da população convocada. As crianças menores de dois anos ultrapassaram a meta, numa cobertura de 109,63%. A preocupação da Sesap está sendo a vacinação dos adultos com idade entre 30 e 39 anos. Até hoje apenas 34,61% foram vacinados, ou seja, 158.883 pessoas compareceram aos postos de saúde, enquanto a meta seria de 459.090. Outra preocupação é com as gestantes. A meta de vacinação é o alcance de 56.083 mulheres, enquanto foram vacinadas apenas 31.767, configurando uma cobertura de 56,64%.

Fonte: SESAP RN

segunda-feira, 24 de maio de 2010

3º FÓRUM DILEMAS ÉTICOS 2010 - NESTA TERÇA-FEIRA, CREMERN VAI DEBATER DOAÇÃO E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS

A “Doação e o Transplante de Órgãos” serão debatidos nesta
terça-feira, a partir das 19hs30min, no auditório do Memorial da Medicina, dentro do Fórum Dilemas Éticos, promovido pelo Conselho Regional de Medicina.

O evento contará com duas palestras, sendo a primeira proferida pelo Dr. Carlos Eduardo S. Silvado, que é Membro da Câmara Técnica do CFM,que abordará o tema “Diagnóstico de Morte Encefálica”. A segunda palestra será apresentada pelo Dr. Reginaldo Carlos Boni, que é Coordenador da organização de procura de Órgãos - OPO da Santa Casa de
São Paulo e ele vai abordar o tem “Captação de Órgãos”.

O assunto Doação e Transplantes de Órgãos é um dos mais importantes da atualidade, especialmente porque o Brasil realiza hoje um dos maiores programas de transplantes de órgãos e tecidos do mundo, com 548 estabelecimentos de saúde e 1.376 equipes médicas autorizadas a realizar transplantes, no Sistema Nacional de Transplantes, presente
em 25 estados brasileiros, através das Centrais Estaduais de Transplantes.

Importante frisar que a política Nacional de Transplantes de órgãos e tecidos está fundamentada na Legislação (Lei nº 9.434/1997 e Lei nº 10.211/2001), tendo como diretrizes a gratuidade da doação, a beneficência em relação aos receptores e não maleficência em relação aos doadores vivos.

A legislação estabelece também garantias e direitos aos pacientes que necessitam destes procedimentos e regula toda a rede assistencial através de autorizações e reautorizações de funcionamento de equipes e instituições. Toda a política de transplante está em sintonia com as
Leis nº 8.080/1990 e nº 8.142/1990, que regem o funcionamento do SUS.

COMO DOAR - Para ser um doador, não é necessário fazer nenhum documento por escrito. Basta que a sua família esteja ciente da sua vontade. Assim, quando for constatada a morte encefálica do paciente,uma ou mais partes do corpo que estiverem em condições de serem aproveitadas poderão ajudar a salvar as vidas de outras pessoas.

Lembre-se que alguns órgãos podem ser doados em vida. São eles: parte do fígado, um dos rins e parte da medula óssea.

OUTRAS INFORMAÇÕES - O Brasil registrou em 2009 número recorde de doadores de órgãos. Foram 1.658, ou 8,7 doadores por milhão da população (ppm). Isso representa um crescimento de 26% em relação ao ano anterior (7,2 ppm) e supera a meta da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), que era de 8,5 ppm.
Para outras informações - Presidente do CREMERN - Dr. Luís Eduardo Barbalho de Mello - 9962-3678
Fonte: CREMERN

Sociedade de endocrinologistas promove Semana pela Tireóide


Entre os dias 24 e 30 de maio, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia - SBEM promovem 2ª Semana Internacional da Tireóide com objetivo de informar a população sobre as doenças tireoidianas, seus sintomas e tratamentos.
Em Natal a campanha será lembrada no dia 29 de maio, das 12h às 21h no Shopping Midway Mall. Durante o evento haverá distribuição de material informativo sobre os sinais e sintomas dos distúrbios tireodianos, além da presença de endocrinologistas que irão instruir a população sobre a importância do autoexame da tireóide, e sobre outras doenças tireoidianas.

A presidente da SBEM/RN, Anna Karina Medeiros explica que os sintomas das doenças relacionadas à tireóide muitas vezes são confundidas com um simples cansaço. “Por isso é importante ficarmos alerta para um diagnóstico precoce a fim de evitar um câncer”, conclui.
A primeira edição da Semana Internacional da Tireóide aconteceu em 2009 e foi realizada, simultaneamente, em 65 países, incluindo o Brasil.
Fonte: SINMED RN

sábado, 22 de maio de 2010

Uma a cada seis gestantes tem mais de 35 anos

A cada seis gestantes atendidas no Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), na capital paulista, uma tem mais de 35 anos. Na década de 1970, a taxa era de uma a cada 20. As mulheres estão tendo filhos mais tarde por dois principais fatores: a entrada delas no mercado de trabalho e o avanço da medicina. Mesmo assim, apesar das novidades na área da saúde, quem engravida com essa idade corre mais riscos. E o bebê também fica mais propenso a doenças congênitas.

"A mãe com idade mais avançada pode ter dificuldades de se adaptar à gravidez, pois há uma sobrecarga no funcionamento do organismo da mulher", explica o obstetra Adolfo Liao, do Ambulatório de Obstetrícia do HC. Segundo o médico, até 25% das gestações em idade materna avançada resultam em aborto. "Quando uma mulher com 20 anos engravida, a chance de ocorrer um aborto espontâneo é menor", diz. A taxa de bebês nascidos prematuramente também é mais alta, podendo chegar a 15%, devido a complicações como o diabetes ou hipertensão. Essas duas doenças podem também afetar a formação e o desenvolvimento da criança.

Assim, tendo em vista as complicações que a gestação de uma mãe com idade mais avançada pode ter, o acompanhamento durante o pré-natal deve ser muito mais intenso. "As consultas são mais constantes e os exames mais específicos para esse grupo", diz o obstetra. O pior é que o médico observa a tendência de, a cada ano que passa, mais mulheres decidam ter filhos mais tarde. "Esse fato é muito frequente e, talvez, se torne ainda mais daqui a alguns anos", prevê.

Riscos para o bebê
A complicação genética mais comum, com probabilidade influenciada pela idade da mãe, é a síndrome de Down. A prevalência em fetos de mães com cerca de 20 anos chega a ser de uma em mil. Já nas mães com 35 anos ou mais, essa fração é de uma em cada 350 gestantes. "A chance de uma mulher de 40 anos ter um filho com a doença chega a ser de uma em 70", conta o médico.

Liao afirma que a mãe deve estar consciente desses e de outros riscos antes de engravidar. O diagnóstico de doenças que podem afetar o desenvolvimento saudável do feto, como pressão alta ou diabetes, deve ser realizado antes do início da gestação. Além disso, o tratamento deve ser feito com remédios que não prejudiquem a formação do feto. "Alguns remédios para controlar a pressão podem induzir à má formação", diz. Problemas da nossa vida "moderna".

Fonte: YAHOO! Notícias

Dividindo a dor e a esperança na cura



Antonio Augusto decidiu dedicar parte do seu tempo a pacientes com problemas renais
Foto: Elio Rizzo/Esp. CB/D.A Press




Pessoas diagnosticadas com doenças crônicas encontram na ajuda a outros pacientes uma espécie de missão de vida

O diagnóstico de uma doença crônica - às vezes, incurável e fatal - costuma trazer dor e revolta para os pacientes. Alguns negam a condição, outros lutam desesperadamente pela vida. Há também os que aproveitam a experiência para ajudar quem está passando pela mesma situação.

À frente de associações e instituições variadas de apoio ou com trabalho voluntário, procuram dividir informações, dar suporte moral, consolo, alento.
Antes de descobrir que era portador de uma doença renal grave, Antonio Augusto dos Santos, 46 anos, jamais se imaginou participando de uma organização não governamental. Assim como a paulistana Christine Battistini, também de 46, que, depois de cuidar da mãe e descobrir, ela mesma, um câncer de mama, chegou a abandonar o emprego para se dedicar somente aos pacientes de males crônicos. Ou Andréa Motta, 40, mãe de um garotinho portador de uma doença rara, que abriu mão da vida própria pela causa das vítimas de mucopolissacaridose. "Sei que deixei de cuidar de mim pelo meu filho e pelas outras crianças. Já cheguei a pensar em desistir de tudo, porque acordo e durmo preocupada com a situação delas.

Mas essas pessoas precisam de alguém que cuide delas", justifica Andréa. "É muito difícil, mas só quem vê seu filho piorando a cada dia sabe o que é passar por isso. Eu conheço a realidade dessas mães e sinto necessidade de ajudar."
Já Christine, que acompanhou o tratamento da mãe nos Estados Unidos, luta para que os medicamentos sejam aprovados mais rapidamente no Brasil. "O tempo não tem valor para quem está saudável. Mas aprendi que, para quem está doente, é algo precioso", diz.

Antonio oferece informações e amizade para outras pessoas que, como ele, têm a esperança de um dia conseguir um transplante de rim. "Tento ajudar no que for preciso. Seja conseguir uma cesta básica para os doentes carentes ou fazer palestras para os outros renais. A minha recompensa é saber que ajudei alguém a ficar mais feliz", explica.

MS amplia e prorroga vacinação


Durante a manhã, no posto de saúde São João, em Lagoa Seca, uma enorme fila se formou. Os portões precisaram ser fechados

A campanha de vacinação contra a gripe H1N1 se encerraria ontem em todo o Brasil, mas o Ministério da Saúde decidiu pela prorrogação da campanha e estendeu a vacinação às crianças de 2 a 5 anos. Em Natal, mesmo antes da confirmação de que o prazo para a vacinação de gestantes e adultos entre 30 e 39 anos seria prorrogado, já havia a definição de que as cerca de 70 mil doses restantes seriam aplicadas. Os dois grupos, inclusive, foram os que tiveram o menor índice de cobertura durante o período normal da campanha, o que motivou ações extras das secretarias de Saúde do estado e da capital. Os titulares das pastas terão reunião na segunda-feira (24) para discutir o novo período de vacinação.

Para o novo grupo, o Ministério da Saúde disponibilizará 10,8 milhões doses da vacina. O município e estado organizam atividades para que os demais grupos de risco sejam atendidos nos postos de saúde e em outras localidades. A Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), inclusive, vai ceder 15 funcionários para auxiliarem na vacinação em Natal.

De acordo com a chefe do Departamento de Vigilância à Saúde da SMS, Cristiana Souto, a partir desta segunda ocorrerão visitas pré-agendadas a algumas indústrias. “É onde há grande concentração, sobretudo de trabalhadores entre os 30 e os 39 anos, que queremos atingir. E essa parcela da população é a a que mais teve dificuldade em ir até os pontos, por uma questão de tempo mesmo”, ressaltou.

Além das visitas às empresas, também serão abertos postos de vacinação no Hotel Ducal e no shopping Midway Mall, a partir de terça-feira, destinados aos dois públicos de menor cobertura da campanha. Quem ainda não se vacinou e pertence aos outros grupos de risco (crianças até dois anos, portadores de doenças crônicas, trabalhadores da área da saúde e adultos de 20 a 29 anos) podem tentar se imunizar nos postos de saúde, que irão aplicar as doses.

Em nível estadual as gestantes e os adultos de 30 a 39 anos formam também os públicos de menor abrangência da campanha, com uma cobertura de 56,45% e de 30,37%, respectivamente. O percentual ainda está longe da meta da campanha, que era atingir pelo menos 80% de cada público. A vacinação começou no início de março e até a tarde de ontem, com a intensa demanda nos postos de saúde de Natal, tinham sido aplicadas 944.530 doses, configurando uma cobertura de 64,97%. A meta no estado é que 1.453.739 pessoas sejam vacinadas. “Está sendo uma verdadeira guerra remanejar as vacinas e atender todos os pedidos”, resumiu Cristiana Souto durante a manhã de ontem.

Gripe comum

Faltam doses em natal

O maior problema enfrentado pelas equipes de vacinação, nessa sexta-feira, disse respeito à falta de doses contra a “gripe comum” para os idosos, cuja campanha também se encerrava ontem. “Pedimos mais mil doses ao Estado e estamos aguardando para distribuir nas unidades de referência onde faltou. A maior procura tem sido no centro de saúde São João, no Tirol, e no de Nova Descoberta” revelou a chefe do Departamento de Vigilância à Saúde, Cristiana Souto. No Tirol a vacina contra a gripe comum estava em falta desde quinta-feira e não havia chegado até as 10h30 de ontem, enquanto em Nova Descoberta as doses acabaram no final da manhã dessa sexta, mas em menos de uma hora um novo lote foi entregue à unidade. O problema vem ocorrendo devido ao número limitado desse tipo de vacina, enviado pelo Ministério da Saúde. Enquanto em 2009 foram vacinados 67 mil idosos, este ano chegaram apenas 63 mil doses. A vacinação para os idosos contra a gripe comum continuará até o dia 2 de junho, assim como a vacinação contra o vírus H1N1. A Sesap informou que há poucas doses da vacina disponíveis e a tendência, caso não haja reposição por parte do Ministério, é que já na próxima semana elas estejam esgotadas.

Posto precisa fechar os portões para conter fila

Antes da divulgação da prorrogação da vacinação, as filas formadas durante a manhã de ontem por pessoas em busca da vacina contra a H1N1 ocupavam os corredores dos postos de saúde de Natal, chegando até a parte externa das unidades. Foi assim em Brasília Teimosa, Nova Descoberta e Tirol. Nesse último bairro, o Centro de Saúde São João fechou os portões por volta das 10h, já que o turno da manhã se encerraria às 11h e a quantidade de pessoas ainda na fila, cerca de 100, obrigaria os funcionários a estenderem o atendimento por todo horário do almoço, já que a equipe da tarde só entra às 13h.

Durante a manhã, mais de 400 vacinas foram aplicadas no local. “Estava com medo, mas apareceu o tempo hoje e resolvi vir. É melhor se prevenir”, admitiu o ASG Flávio de Lima. Quem não pôde entrar no posto reclamou da situação. “Vou procurar outro, mas não sei onde”, revelou o funcionário de uma produtora de cinema, Alexandre Caldas. No lado de dentro, a fila atingia o pátio externo do centro de saúde e uma caixa com centenas de seringas utilizadas comprovava a demanda do último dia de campanha.

Em Brasília Teimosa, a diretora Margareth Lisboa teve de requisitar um novo lote de vacinas durante a manhã. “Aqui vem gente das Rocas, Ribeira, Praia do Meio, Santos Reis, Cidade Alta, então a nossa demanda tem sido imensa esses dias”, destacou. A expectativa era de superar as 200 doses aplicadas somente no dia de ontem. Assim como nas demais unidades, a tendência era de manter a vacinação dos grupos de risco, na próxima semana, enquanto durar o estoque.

A artesã Magnólia Ferreira Mamede conseguiu um tempinho para esperar uma hora na fila, até ser atendida. “Tinha de vir, não ia deixar passar.” Mas nem todos tiveram a mesma paciência. A industriária Selma Maria Ramos desistiu de vacinar-se quando viu a fila de mais de 50 pessoas. “Para mim não há condições de ficar esperando em uma fila desse tamanho. Trabalho no turno da noite e preciso dormir um pouco”, explicou.

Já em Nova Descoberta a prioridade nos próximos dias será atender as pessoas acamadas, que não puderam ir até a unidade se vacinar durante a campanha, e também a aplicação da segunda dose das crianças de até dois anos, que tem de ser tomada 30 dias após a primeira. “Para os demais não temos como garantir que haverá vacina”, explicou a diretora Solange dos Santos.
Fonte: Tribuna do Norte

Fórum atualiza programas de formação de especialistas


A Comissão Mista de Especialidades programa o I Fórum de Atualização dos Programas de Formação de Especialistas, previsto para dia 10 de setembro, em Brasília (DF). O grupo é formado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB) e Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

Entre os 23 itens de pauta nesta sexta-feira (21/05), destaca-se a proposta de programa de formação na área de medicina paliativa. A Comissão abriu um processo de reconhecimento para análise.
Fonte: CFM

CFM discute papel social e econômico das cooperativas médicas

O Conselho Federal de Medicina (CFM) realiza, dias 27 e 28 de maio, em Brasília (DF), o III Fórum Nacional de Cooperativismo Médico. Entre os convidados estão o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, além de representantes das três entidades médicas nacionais – CFM, Associação Médica Brasileira (AMB) e Federação Nacional dos Médicos (Fenam).

Também estarão presentes nomes da Unimed do Brasil, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), das secretarias de saúde, parlamentares, do Ministério Público do Trabalho, da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Convidados e participantes discutirão temas como o papel sócio-econômico do cooperativismo, parceria público-privada, pontos de convergências entre cooperativismo e entidades médicas, honorários, atuação do órgão regulador, cooperativismo de trabalho no SUS e na saúde suplementar e terceirização.

Trata-se de uma realização da Comissão de Cooperativismo Médico do CFM, coordenada pelo conselheiro Hiran Gallo. A programação completa, com mesas e palestrantes confirmados, será veiculada no início da próxima semana, neste portal.

:: Serviço ::
III Fórum Nacional de Cooperativismo Médico
Data: 27/05/2010 a 28/10/2010 (quinta e sexta-feira)
Abertura: 27/05/2010, às 9h (previsão)
Local: Conselho Federal de Medicina (SGAS 915, Lote 72, Brasília)
Informações e inscrições: comissoes@cfm.org.br
Fonte: CFM